A percepção da mídia acerca do talento de Donald Glover foi acentuada nos últimos meses. Apesar de ser um rosto conhecido de seriados como 30 Rock e Community e filmes como Magic Mike (2015) e Perdido em Marte (2015), apenas com o início de Atlanta, Glover ganhou destaque e notoriedade na TV e cinema.

Essa visibilidade contribuiu para a participação em filmes como Homem Aranha: De Volta ao Lar (2017) e de Han Solo: Uma História Star Wars (2018). Mas o que torna a série Atlanta que chega a sua 3ª temporada em algo tão especial?

Iremos listar 5 motivos para ver a série e te provar que Donald Glover é um artista para acompanhar de perto e prestar atenção em tudo que ele apresenta para a indústria do entretenimento.

Atlanta | 5 motivos para ver a série

Além de ser um talentoso ator, Donald Glover também é roteirista, diretor, comediante e músico. Sob a alcunha de Childish Gambino, Glover já lançou três trabalhos elogiados que vão do rap, trap, soul e funk setentista ao remixes de música eletrônica.

O clipe para a música This Is America foi um dos vídeos mais vistos no mês passado e ajudou a alavancar o nome e apresentar o trabalho do artista para diferentes públicos. E esse background musical é um fator importante a ser contextualizado para entendermos a importância de Atlanta.

É sobre música… e muito mais

O pano de fundo da série é a ascensão do jovem rapper Paper Boi (Bryan Tyree Henry) na cena musical de Atlanta, agenciado por seu primo Earn (Donald Glover). Além das diversas referências sobre sites, revistas, as participações especiais de artistas (Migos, Lloyd, Lil’ Zane e Quavo) e bastidores do cenário hip-hop são um prato cheio para quem é fã do estilo.

Construção de Roteiro

Glover idealizou uma série praticamente sem furos, ao recorrer a um tema e ambientação familiares, todos os pontos são bem amarrados. A construção de diálogos, personagens e conflitos é primorosa. E a capacidade de introduzir assuntos densos em uma comédia é o ponto alto desse trabalho.

Metalinguagem

O surrealismo de algumas situações poderiam ser destacadas, mas a capacidade em utilizar a metalinguagem sem tornar isso caricato ou cansativo merece mais espaço. Ainda mais por ir além do textual e utilizar imagens para trazer esse recurso à tona. Assim como as referências musicais e midiáticas, é necessário estar ambientado à cultura hip-hop pra perceber tudo que acontece.

Contexto Pessoal

O caminho delineado para o personagem Earn chama a atenção, pois a contextualização de como um jovem talentoso e inteligente sofre com as barreiras impostas pelas pressões de uma sociedade racista e desigual. Esta caracterização causa grande impacto e senso de familiaridade nos espectadores, ou pelo menos, acende um alerta para quem vive fora deste contexto.

Contexto Social

O racismo aparece de forma recorrente em Atlanta, seja em situações explícitas ou em apresentações sutis que refletem como a má distribuição e falta de representatividade em diversos setores são cruéis e ainda distantes de serem equalizadas. Inclusive na falta de equiparação nas atitudes de celebridades dependendo da cor de sua pele.

E é interessante para relacionar como a sociedade brasileira se aproxima da americana nessas questões.

Acredito que estes sejam motivos suficientes para assistir o seriado, caso ainda tenham dúvidas, vejam esta resenha que o Ronald Rios fez no Rap Cru. E veja o trailer da primeira temporada, que está disponível na Netflix:

Assistir na Netflix

https://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/05/atlanta-serie-1.jpghttps://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/05/atlanta-serie-1-150x150.jpgIkie ArjonaFilmes e SeriadosNetflix
A percepção da mídia acerca do talento de Donald Glover foi acentuada nos últimos meses. Apesar de ser um rosto conhecido de seriados como 30 Rock e Community e filmes como Magic Mike (2015) e Perdido em Marte (2015), apenas com o início de Atlanta, Glover ganhou destaque e...