A ansiedade crônica, patologicamente conhecida como ansiedade generalizada é um transtorno que atinge 1 em cada 3 pessoas ao redor do mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde). Segundo o órgão, o Brasil é o país que tem a maior taxa de pessoas que sofrem com algum tipo de transtorno de ansiedade, chegando a alarmantes 9,3% da população.

Como todo transtorno mental, muitas vezes os sintomas são tratados como desimportantes ou frescura, mas quem sofre sabe que por vezes as crises são tão fortes que impactam de maneira física nosso organismo, impedindo a realização de tarefas cotidianas como trabalhar, estudar e até dormir.

Ansiedade não é frescura

Com a rotina conturbada de grandes cidades e as preocupações causadas por questões socioeconômicas, relacionamentos e demais preocupações, a ansiedade crônica têm se tornado um problema de saúde pública. E precisamos entender que como patologia, a ansiedade deve ser acompanhada por um especialista e receber o tratamento específico individual.

É importante fazer o acompanhamento correto para não desenvolver uma depressão ou síndrome do pânico.

O transtorno de ansiedade está tão presente em nossa sociedade que até celebridades como a atriz Kelsey Darragh, do seriado Suburgatory, admitiu que ataques de pânico e distúrbio de ansiedade interferem em sua relação com seu namorado.

A atriz fez uma lista comovente para ensiná-lo a lidar com seu transtorno de ansiedade e tornou-a pública para ajudar outras pessoas que sofrem com o mesmo problema.

Confira o relato e as dicas de Kelsey e se tiver com algum problema, não exite em procurar acompanhamento psicológico.

15 coisas a fazer para ajudar alguém passando por um ataque de pânico

1 – Saiba que estou assustada (+) não conseguirei explicar porquê. Então, por favor não se desespere ou se irrite comigo.
2 – Ache meus remédios se estiverem por perto e certifique-se de que eu os tome!
3 – Exercícios de respiração irão me frustrar, mas eles são vitais. Tente fazer com que eu sincronize minha respiração com a sua.
4 – Faça sugestões delicadas de coisas que poderíamos fazer juntos para distrair meu desespero (não me diga o que preciso/devo fazer. [E escute quando eu disser não a algo]
5 – Para pânico dissociativo = relembre-me de que isso já aconteceu comigo e que dessa vez também irá passar! Sempre passa, mas é extremamente assustador quando está acontecendo, então talvez conte alguns fatos divertidos sobre mim ou de nossa vida juntos que me fará sorrir ou rir.
6 – Alguns goles de água podem ajudar, mas não me diga que eu preciso beber porque – ACREDITE EM MIM – eu sinto como se fosse vomitar.
7 – CONTINUE RESPIRANDO COMIGO!!!
8 – Se nós pudermos sair de onde estivermos, me leve pra casa!
9 – Por favor seja muito legal comigo. Não estarei me sentindo como eu mesma (+) estarei envergonhada (+) me sentindo culpada por fazer você ter que passar por isso então por favor, não fique frustrado comigo :/
10 – Às vezes, um longo e tranquilo abraço irá me ajudar a fazer com que eu me sinta segura.
11 – Me ajudar a respirar será difícil, mas é muito importante!
12 – Se a situação estiver muito ruim – coloque minha mãe, minha irmã ou melhor amiga no celular para falar comigo!
13 – Me diga para não lutar contra isso – em vez disso, deixe com que passe através de mim. Quanto mais eu tentar controlar o problema [ou você tentar controlar], pior será.
14 – Seja empático comigo! Você poderá não entender o que está acontecendo, mas estará me entendendo!
15 – Assim que passar (tipo horas depois), converse comigo sobre o ocorrido. Como foi? O que podemos fazer na próxima vez?

Kelsey

Espero que tenha te ajudado a perceber que você não está sozinho e muitos passam por problemas parecidos com os teus. Sempre procure ajuda e não pense que você é pior que os outros por sentir essas sensações.

Fonte Bored Panda

https://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/06/kelsey-darragh.jpghttps://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/06/kelsey-darragh-150x150.jpgIkie ArjonaCuriosidades
A ansiedade crônica, patologicamente conhecida como ansiedade generalizada é um transtorno que atinge 1 em cada 3 pessoas ao redor do mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde). Segundo o órgão, o Brasil é o país que tem a maior taxa de pessoas que sofrem com algum...