Arte por Vinicius Mendes




Com menos de um ano de existência, o selo paulistano Pessoa que Voa conseguiu reunir em seu casting uma série de artistas responsáveis pela renovação da cena indie paulistana. A necessidade em ver as engrenagens girando vem da juventude e disposição de um grupo focado em apresentar e dar voz a uma geração que produz música de maneira prolífica e constante.

Em “Diário de Bordo, vol. 1” estão reunidos singles inéditos de todos artistas do selo, veja o release da coletânea escrito pelo Cainan Willy.

Diário de Bordo, vol. 1

Arte da Capa: Locarina

Texto por Cainan Willy

No apagar das luzes de 2017 o selo/gravadora paulista Pessoa que Voa divulga a sua primeira mixtape, intitulada como “Diário de Bordo, vol. 1”. O registro conta com doze faixas, cada uma delas gravada por um artista/banda que pertence ao casting do selo. A mixtape é uma forma de mostrar que existe uma cena em ascensão na cidade de São Paulo e quem está encabeçando é uma galera jovem e cheia de iniciativa.

Embora todas as canções tenham o mesmo espírito enérgico até abordem temas parecidos, são extremamente diferentes entre si, por conta da forma livre com que cada faixa foi criada por seus artistas. Guitarras e sintetizadores sujos se sobrepõem aos momentos de calmaria ao longo da tracklist que passeia por vários gêneros que vão desde o indie rock/emo, ao pop e samba aqui concebidos sob novos olhares e influências. Todos esses pontos transformam a mixtape em algo maior que uma simples seleção de músicas, mas sem dúvidas, um disco vívido e com uma narrativa de inicio, meio e fim.

A divulgação do “Diário de Bordo, vol. 1” começou com dois artistas já conhecidos pelos seguidores do selo: Theuzitz estreou uma nova fase com a faixa “Flanar”, e depois chegou a vez de LVCASU mostrar como o tempo agiu em suas composições na saudosa “Velvia”. Além dos veteranos (que ousaram até um feat: Quasar e Calvin Voichicoski), há também novos nomes que prometem seus primeiros lançamentos pelo PQV para 2018, são eles: Yanngo, Moblins, Afago, pelocurto, Miojo Cru e, o único carioca dentre tantos paulistas, Santos.

O Pessoa que Voa apresenta ainda outra novidade interessante, uma mudança que visa trabalhar de forma minimalista a identidade visual do selo. Eles deixaram o logo em formato de capacete no passado e adotaram como símbolo um simpático aviãozinho de papel, externando a liberdade e a imaginação tão férteis dentro da equipe. E um aviso a todos os curiosos: vale conferir a mixtape no YouTube. Por lá cada banda usou em sua música, uma biografia “by Wikipédia” para se auto-descrever, como uma forma divertida de apresentar suas referências, instigar e distrair os ouvintes.

Pessoa Que Voa

O Pessoa que Voa é um selo e gravadora independente sediado no estado de São Paulo. Criada no início de 2017, “Nossa missão é gravar, lançar e divulgar artistas, dando a eles todo o suporte necessário, desde a confecção de seu projeto até a comunicação com seu público”, explicam. O poder transformador da música e sua capacidade em nos transportar para inúmeros lugares foi o que inspirou o nome do selo e dão rumo ao trabalho. O casting é composto de nomes do cenário independente paulista, como Calvin Voichicoski, Theuzitz e Vinicius Mendes, e já produziram eventos com alguns artistas grandes do indie brasileiro como Jair Naves e o grupo da Geração Perdida de Minas Gerais.

https://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2017/12/ddb.jpghttps://www.deveserisso.com.br/blog/wp-content/uploads/2017/12/ddb-150x150.jpgIkie ArjonaMusica
Arte por Vinicius Mendes Com menos de um ano de existência, o selo paulistano Pessoa que Voa conseguiu reunir em seu casting uma série de artistas responsáveis pela renovação da cena indie paulistana. A necessidade em ver as engrenagens girando vem da juventude e disposição de um grupo focado em...